Di Repente

Uma história nordestina

Com música ao vivo, humor e muitas provocações, Di Repente conta a história de três trabalhadores nordestinos, que se reencontram em um canteiro de obras da cidade de São Paulo. Eles fazem amizade com uma jovem doméstica das redondezas e dessa amizade nascem afinidades, amores, conhecimentos e a reavaliação de seus próprios sonhos.
O Grupo Luz e Ribalta ao longo dos seus 36 anos trabalhou com renomados diretores:
Fauzi Arap, Eric Nowinski, Francisco Medeiros, Décio Pinto, Antônio de Andrade, Maria Lúcia Pereira, Gabriela Rabelo e Zé Renato, entre outros. Para dirigir esse novo trabalho, o Grupo se une ao diretor Rodrigo Mercadante, que já fez história na Cia do Tijolo, e que traz com ele como assistente o ator Dinho Lima Flôr da mesma cia.

O texto Di Repente e as composições musicais são de autoria de Theodora Ribeiro, atriz e integrante do Luz e Ribalta desde a sua primeira formação. Os jovens atores convidados para o elenco são Diego Rodda, Luiã Borges, Mario Matias e Myllena Oliver. Eles se integraram ao grupo em um processo colaborativo, que resultou em uma montagem alegre e ao mesmo tempo crítica do nosso tempo. A ação se passa em um canteiro de obras e a cenografia, figurinos e adereços são também, resultado deste processo, com a orientação do cenógrafo e figurinista Marcio Tadeu. O que se pretende com a montagem desse espetáculo é prestar uma homenagem poética e ao mesmo tempo reflexiva aos migrantes nordestinos.
A estreia do espetáculo Di Repente será no Teatro Alfredo Mesquita, no dia 03/05, seguindo temporada de sexta a domingo até 26/05. Complementando a primeira temporada, estão programadas apresentações em Casas de Cultura, Sindicatos e canteiros de obras. A proposta do projeto é atingir o trabalhador da construção civil e chegar também, aos locais de concentração de migrantes nordestinos.
Os atores, que são também músicos, cantores e instrumentistas, serão responsáveis junto à musicista Nathália Gonçalves, pela formação de um conjunto nordestino, com sanfona, triângulo e zabumba, que executará ao vivo, a trilha composta especialmente para o espetáculo. Essas músicas terão ainda, o acompanhamento de sons experimentais, tirados dos próprios instrumentos de trabalho, como desempenadeiras, conduítes, latas vazias, restos de ferro e canos de PVC.

Ouça as Músicas
Di Repente – Canto para Todo Canto

O Grupo

Grupo Luz e Ribalta

O Grupo Luz e Ribalta, da Cooperativa Paulista de Teatro, iniciou suas atividades em 1982 e conquistou os prêmios: Mutirão, Mambembe, APCA, APETESP, Moliere, Shell, Governador do Estado , Coca-Cola e Vento Forte.

Os principais espetáculos montados pelo Grupo foram O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá de Jorge Amado, direção de Alvaro Guimarães – Rua Dez de Nery Gomide, direção de Fauzi Arap – As Margens da Ipiranga, texto e direção de Fauzi Arap – Fulaninha e Dona Coisa de Noemi Marinho, direção de Eric Nowinski – Risco e Paixão de Fauzi Arap, direção de Francisco Medeiros – E Agora? Cacilda! de João Carlos Couto, direção de Décio Pinto – Santidade de Zé Vicente, direção Fauzi Arap – Homens de Papel de Plínio Marcos, direção de Antônio de Andrade que marcou os 20 anos do Grupo – História de Todas as Coisas de Nery Gomide, direção de Antônio de Andrade, O Grande Grito, de Gabriela Rabelo, última direção de Zé Renato.

 O espetáculo infantil A Sopa de Pedra, de Tatiana Belinki, teve sua primeira montagem em 1985 e foi o espetáculo que mais prêmios e indicações recebeu. Ainda hoje é apresentado nos principais projetos culturais da cidade e já percorreu o Brasil de Norte a Sul como ganhadora do Edital “Petrobras Distribuidora de Cultura”, além de representar o Brasil no Festival Internacional de Teatro del Caribe, de Santa Marta, na Colômbia e participar do Teatro Rá Tim Bum, da TV Cultura.

Identificados com a linguagem de Tatiana Belinki, o Grupo montou ainda Os Turrões e Cheirinho de Pão, com direção de Antônio de Andrade além de Beijo, não! e O Macaco Juiz, ambos com a direção de Gabriela Rabelo.

Núcleo

Luiz Amorim

Luiz Amorim

Produtor / Ator

Nivio Diegues

Nivio Diegues

Produtor / Ator

Decio Pinto

Decio Pinto

Diretor / Autor / Ator

Theodora Ribeiro

Theodora Ribeiro

Autora / Atriz

Montagens anteriores

Sopa de Pedra

Dois companheiros de aventuras, artistas andarilhos, Benzedrino e Magnólio, cansados e famintos encontram uma casinha no meio da estrada. A dona é uma Velha Avarenta que vive a economizar e que não vai dar nada a eles. O jeito é usar de muita astúcia, apresentando seus dotes e talentos, para tentar convencê-la.
Uma divertida artimanha terá que ser utilizada para que eles consigam descansar um pouquinho e saciar a sua fome. Quem sabe uma suculenta Sopa, que só de imaginar já dá água na boca

O Macaco Juiz

Faminto, o Senhor Lobo sai pela floresta à procura de alimento e sente um cheiro de queijo. Mas dona Raposa, também cheia de fome, acha o queijo primeiro. Um cheirou, o outro achou. De quem seria o queijo? Na dúvida vão em busca do parecer do Macaco, juiz da floresta. O espertalhão, também interessado na comida, tira partido da situação enganando os dois briguentos.
O Macaco Juiz estreou dia 9 de março de 2008 no SESC Vila Mariana onde cumpriu temporada de dois meses.

O Grande Grito

O Grande Grito é a mais nova empreitada do Grupo Luz e Ribalta. A decisão da montagem firmou-se a partir de uma Leitura Dramática do texto no Projeto “Palavra em Cena”, na Oficina da Palavra, na Casa de Mário de Andrade e das reações emocionadas que provocou. Aprovado pelo edital de produção da SEC (Secretaria do Estado da Cultura), estreará em março/2011 e fará temporada em SP no Centro Cultural São Paulo nos meses de março e abril, acompanhado de uma exposição, palestras e espetáculos para escolas seguidos de debate.

Beijo, não!

Refugiado em sua floresta, o feiticeiro Merlinaldo coloca em cheque a validade de sua profissão neste século XXI, onde as tecnologias modernas e as novas mídias dominam as atenções. Para animá-lo, sua companheira, a Coruja Urracunda, lhe sugere que faça um feitiço, “ao contrário”, o qual só será desfeito com um mágico beijo de amor.